Garnier Fructis para todos os tipos de lisos

27
jul

Ontem eu conheci o último lançamento de Garnier Fructis, que mudou a fórmula e embalagem de todos os seus produtos, Liso Absoluto pós química. Mas além desta linha, a marca tem outras duas, para todos os tipos de lisos.

Eu não tenho o cabelo liso, mas confesso que gostei muito desta novidade. Pensem comigo:  Se eu fizer escova, meu cabelo precisará dos mesmo cuidados de um cabelo liso natural? Não né? A Garnier oferece agora três tipos de “Liso Absoluto”: para cabelos naturalmente lisos, para cabelos alisados com escovas ou chapinhas, e para cabelos com processos químicos.

” – Liso Absoluto – com extrato de frutas e vitaminas B3 e B6, tem ação antifrizz e antiumidade, deixando os cabelos naturalmente lisos mais disciplinados e com movimento natural

- Liso Absoluto Escova – com castanha do Pará e fitoqueratina, garante escova 2 vezes mais rápida e durável, proporcionando aos cabelos alisados com escova um resultado sem frizz;

- Liso Absoluto Pós-Química – com manteiga de cacau e fitoqueratina, cuida dos cabelos alisados quimicamente, garantindo um efeito “queratinização” e um liso prolongado.”

Preços sugeridos:

Shampoo – R$ 5,90
Condicionador – R$ 7,20
Creme para Pentear – R$ 5,90
Creme de Tratamento – R$ 7,90

Beijos
Mah

 


Postado por Mah às 11:35 na(s) categoria(s) Cabelos

Você poderá gostar também de:





Dica rápida: Lenços em cabelos crespos / cacheados

24
jul

Oiee!

Depois que fiz o post sobre contando tudo o que já fiz no meu cabelo vi que muitas meninas já passaram ou estão passando por momentos semelhantes. Um deles é não saber o que fazer com o cabelo quando estamos tirando a química, momento em que a raiz começa a crescer as opções de penteado ficam escassas. Usei muito, e ainda uso lenço no cabelo, fica bonito, disfarça a raiz e dá para brincar com formas diferentes de amarrar!

No vídeo abaixo eu mostro duas formas muito simples e básicas de colocar lenço na cabelo só para terem uma noção e verem como fica legal. Espero que gostem!

 

Agora é só brincar com os lenços por aí

Beijos
Mah


Postado por Mah às 11:38 na(s) categoria(s) Cabelos

Você poderá gostar também de:





A trajetória do meu cabelo

20
jul

Aeeee! Finalmente eu sentei no outro computador e escolhi algumas fotos para fazer este bendito post!  Faço tudo no meu note e tinha uma preguiça enorme de sentar no computador da casa para buscar as fotos.
Como tenho cabelo crespo, e muuuuuutas mulheres também têm, sempre quis falar sobre isso no blog para mostrar como é o meu cabelo e o que eu fiz com ele durante os anos.

Meus pais são negros e os dois possuem cabelo crespo. A minha irmã mais velha nasceu com o cabelo crespo e bem enroladinho, aqueles cachinhos pequenininhos sabem? Já eu, nasci com o cabelo crespo e sem nenhuma forma. Acho que vocês já podem imaginar como ele é né? Se eu deixar crescer naturalmente fica black power. Minha mãe usou nos anos 70 o cabelo black power, mas depois que passou esta época ela alisa, em casa mesmo, até hoje.

Se preparem que neste post terão muitas fotos para eu ilustrar cada momento capilar.

Hahahha olha eu aí pequena! Fiquem calmas, não vou colocar fotos de todos os anos da minha vida, quero mostrar como era meu cabelo antes de começar a passar química.
Na primeira foto foi o ano em que nasci, dá para ver o tufo de cabelo black que a minha mãe deixava assim ou dava para a minha avó fazer tranças, que ficavam bem bonitas.
Já quando criança, a minha mãe trançava meu cabelo todinho e depois desmanchava para deixá-lo frisado ou dividia meu cabelo e ia enrolando mecha por mecha. Sabe quando você pega o cabelo, enrola em uma caneta? Ela fazia isso com aquele palito que vinha dentro dos sapatos, vocês se lembram deles?

Durante a infância também usei muita trança nos cabelos e nunca tive problema com isso. No colégio em que estudei, sempre fui a única negra da minha sala, mas sinceramente? Nunca liguei para isso! Era um colégio católico e eles prezavam as diferenças explicando para as crianças, sendo assim, nunca sofri racismo ou ouvi qualquer coisa sobre o meu cabelo que marcasse a minha infância. Só depois, na pré adolescência com uns 11 anos, que um menino me chamou de “cabelo de Bom Brill”. Isso foi uma única vez, a professora o repreendeu e eu contei para a minha mãe. Me lembro porque de certa forma isso marca, mas não chorei e nem engoli, respondi bem mal criada para ele e saí de nariz empinado, porque sou dessas!

E chegou a adolescência! Aí ferrou tudo! Aquele turbilhão de hormônios, mil coisas passando na cabeça e diversas meninas bonitas e bem mais “evoluídas” do que eu. Tenho 1,56 de altura e sou magrinha, no colégio sempre tem aquelas meninas super desenvolvidas que com 16 anos parece que tem 20, e eu não era uma delas!

O cabelo começou a me incomodar e fui atrás da minha mãe para fazer alguma coisa. Comecei então a usar permanente afro, fazia em casa mesmo e minha mãe que passava em mim. Sabe aquele de caixinha que vende na perfumaria? Pois é, era ele! Deixava meu cabelo enrolado, mas todo dia de manhã antes de ir para a escola, eu passava creme e queria deixar o mais baixo possível. Nunca quis que ficasse com volume porque na minha concepção da época era feio e as meninas não tinham cabelo armado. O resultado? Um cabelo enrolado, cheio de creme e que nunca secava.

Uma pausa para falar porque eu resolvi fazer tudo em casa. Um belo dia, minha irmã e a minha mãe resolveram ir à um salão para cuidar do cabelo da minha irmã. A cabeleireira parou, olhou para o cabelo da minha irmã e disse assim “Eu não tenho escova para passar neste tipo de cabelo.” sim, ela disse isso. Depois perguntei para a minha mãe porque ela tratava do cabelo em casa, e ela me contou diversas histórias em que tentou cuidar no salão mas sempre saía de lá destruída, com o cabelo feio e ninguém sabia mexer. Agora entendem porque eu preferi arrumar em casa?

Aí, com uns 14, 15  anos eu resolvi parar de fazer permanente e alisar o cabelo. Fui lá na perfumaria,  mudei a caixnha que comprava e continuei fazendo isso em casa. Para sair de manhã eu passava qualquer creme para pentear, e o cabelo dava uma secadinha mas sempre ficava meio estranho, meio molhado.

Na foto de 2005, tirada com meu celular, estava no colégio, dá para ver que meu cabelo estava bem grande liso. Nesta época eu adorava o meu cabelo porque ele mexia. Sim, uma felicidade para mim era ver o meu cabelo mexer como o das outras meninas que tinham o cabelo liso. Sabe quando bate o vento e o cabelo vem no seu rosto? Sabe quando você abaixa para pegar algo e o cabelo cai no rosto? Sabe quando você prende o cabelo e ele balança de um lado para o outro? Pois é, isso acontecia e era a minha felicidade!

Já no terceiro ano do colegial, em 2006, eu cansei de ter o cabelo “meio molhado, meio seco” e resolvi usá-lo escovado todos os dias. De manhã, antes de ir para o colégio, eu passava aquelas escovas modeladoras para arrumar. Sim, eu usava todos os dias algo quente no meu cabelo e fazia escova uma vez por semana, alguém imagina no que isso resultou? Meu cabelo foi caindo!

Não há cabelo que aguente à tanta escova, chapinha, modelador, ou qualquer outra coisa quente todos os dias. O topo da minha cabeça ficou com apenas quatro dedos de tanto que eu destruí o cabelo. Nisso eu já namorava, e meu namorado nunca gostou do meu cabelo liso, ele me disse para deixar o cabelo natural.

Voltei para a perfumaria e fui fazer novamente permanente em casa.

Em 2007 eu entrei na minha primeira faculdade e não estava satisfeita com o meu cabelo, mas me sentia mais feliz do que com ele escovado. Não tinha muita definição, estava meio liso meio enrolado. Dá para ver que ele está bem dourado, nunca passei uma coloração no cabelo, mas a química queimava os fios e os deixava mais claros.

Continuei fazendo a mesma coisa em 2008 até o meu namorado achar um cabeleireiro que fazia o cabelo de uma colega de trabalho e ficava lindo, cacheado, cheio, bem bonito mesmo. Nesta altura do campeonato eu já queria o meu cabelo cacheado. Nunca quis meu cabelo como eu vim ao mundo, black, porque não tem forma alguma! Eu não consigo gostar dele sem forma, por isso fui atrás do homem para deixar meu cabelo cacheado com permanente.

No primeiro dia que fui lá, ele apenas hidratou porque estava muito detonado, mas depois de uns três meses, eu fiz meu cabelo com ele até o final de 2009 e este foi o resultado:

Aí eu cansei dele porque era muito longe e cismei que ele não entendia muito bem de cabelo crespo. Passei para o relaxamento em casa comprado na perfumaria e estava muito feliz assim. Na segunda foto de 2010, eu passava henna no cabelo para dar uma cor diferente. Era relaxamento de três em três meses e henna duas vezes por mês. Para arrumar de manhã eu passava um creme para pentear e água.

Ah! Esqueci de falar que desde sempre eu levanto uma hora antes de sair de casa para arrumar meu cabelo. E tem mais uma coisa que esqueci de falar: quando eu falo que passo creme no cabelo, eu passo também água, não aplico creme nele seco. O processo é: separar mechas, eu começo por baixo, e ir passando água e depois o creme. No final de tudo eu amasso os fios para enrolar.

Foi então, que em 2011 eu resolvi cortar todo o meu cabelo relaxado, deixar crescer o cabelo natural para depois voltar ao permanente, mas desta vez, eu deixaria meu cabelo cacheado e com volume! Este foi o pior momento, porque tive que aprender a cuidar do meu cabelo natural, coisa que eu nunca tinha feito.

O cabelo crescia e eu ia cortando as pontas, mas não fazia isso em um salão não, eu mesma passava a tesoura no meu cabelo. Nas primeiras fotos dá para ver a minha raiz crespa surgindo e as pontas bem acabadinhas. Como eu não estava muito feliz com este meu cabelo, não tirei tantas fotos, foi difícil achar algumas para colocar aqui. Observem a foto em que estou com a regata listrada, dá para ver mais ou menos até que tamanho de cabelo cheguei. Estava muitíssimo curto e eu aguentando aquilo com toda a minha força interior.

Na última foto estou black power! Este é o meu cabelo natural, sem nenhuma química e para arrumar eu molhava e passava creme todos os dias de manhã. Consegui ficar 10 meses sem passar química para chegar neste cabelo 100% natural.

Foi então que eu voltei para o permanente! Queria fazer em salão, mas sinceramente? Pouquíssimas pessoas sabem mexer em cabelo crespo e deixá-los bonitos sem escova e babyliss. Como ainda não conheci nenhuma pessoa que saiba mexer em cabelo crespo, prefiro fazer em casa. Então, voltei para o permanente em casa, mas agora eu deixo ele com mais volume.

Recentemente, vocês viram que eu pintei os fios. Esta foi a primeira vez que passei alguma coloração no meu cabelo e amei o resultado!

Maaaaaaas, se você acompanha a Fan Page do blog, sabe que eu não estou mais assim. Nesta terça eu cortei meu cabelo com Julio Crepaldi no Beauty Studio da Wella lá na Casa Cor. O resultado? Este:

No começo não gostei muito, mas agora já me acostumei e gostei de ver que as pontinhas estragadas foram embora.

Eu fico pensando e acho um absurdo, e também uma pena, em um país como o Brasil, não ter profissionais suficientes que saibam cuidar de cabelos crespos sem fazer escova ou babyliss. Ouvi dizer que tem um salão no Rio que é especializado em cabelos crespos e deixa as meninas negras com o cabelo lindo, ainda quero passar lá. Fora isso, as pessoas não sabem mexer em cabelo crespo, as próprias meninas que tem o cabelo assim não sabem cuidar e acabam deixando liso ou lotando de creme. Eu não assumo meu black porque não me sinto bem, mas tentei achar algo que não me transforme em quem não sou. Quando meu cabelo estava escovado era completamente falso, feio e sem personalidade alguma. Hoje eu aprendi a cuidar do meu cabelo, estou feliz com ele e escuto muitos elogios na rua, isso me faz muito bem!

E como você cuida do seu cabelo hoje Maraisa? O que você passa? Olha, eu passo de tudo! rs Shampoo e condicionador eu sempre compro para cabelos secos ou quimicamente tratados, e creme para pentear eu uso para cachos. O creme para pentear que mais gosto é Elsève Hydramax Colágeno, mas no momento estou usando o Repair da Wella ProSeries.

O cabelo crespo não tem brilho, por isso eu sempre passo um óleo depois que ele seca para dar brilho. Uso o Orofluido ou Moroccanoil. Mas se você não pode gastar, compra qualquer óleo capilar da perfumaria que  também dá um bom resultado.

Lavo o cabelo duas vezes por semana, tem gente que vai achar pouco, mas como eu tenho o cabelo crespo, sei que ele não seca rápido e não precisa ser lavado tantas vezes, se bobear isso pode até danificar os fios. Passo máscara sempre que lavo os cabelos, pode ser qualquer máscara, mas eu sempre passo.

Hoje eu continuo acordando uma hora antes para arrumar o cabelo, demoro menos tempo para arrumá-lo, mas ainda levanto cedo porque saio de casa com ele seco. Então acordo, arrumo o cabelo, faço maquiagem, vejo a roupa e nisso tudo vou mexendo no cabelo para ele secar. Nunca mais saí com um monte de creme no cabelo ou com aquele aspecto molhado. Sou muuuuito mais feliz assim.

É isso gente, esta é a minha trajetória capilar. Escrevi muito, mas vejam bem, resumi 23 anos em um post! hahaha

Beijos
Mah


Postado por Mah às 11:54 na(s) categoria(s) Cabelos

Você poderá gostar também de:





Sorteio: Kit Wella ProSeries Repair

13
jul

Vamos fechar a sexta com um sorteio? Faz tempo que eu não fazia sorteio aqui no blog, mas Wella ofereceu um kit da nova linha ProSeries Repair e como eu gostei muito achei que alguém merecia receber em casa!

O kit contém:
- shampoo de 500ml
- condicionador de 500ml
- creme para estilizar 250ml
- máscara intensiva 300ml

Para participar é preciso residir no Brasil e preencher o formulário abaixo! Só isso! O sorteio vai até o dia 18 de julho à meia noite e no dia 19 eu publico quem ganhou.

SOTEIO ENCERRADO

Boa sorte gente!

 


Postado por Mah às 20:55 na(s) categoria(s) Cabelos

Você poderá gostar também de:





Transição: do liso ao crespo

02
jul

Recentemente saiu no The New York Times um documentário da cineasta Zina Saro-Wiwa. Ela, assim como outras negras norte-americanas, não usava o seu cabelo natural e sim aplique. Muitas negras, não somente nos Estados Unidos, não conseguem aceitar seus fios crespos por ver um ode ao cabelo liso. Assim, passam a aplicar química para alisar o cabelo ou mesmo colocam aplique.

O documentário fala do caminho inverso, a transição do cabelo liso e quimicamente tratado para o cabelo naturalmente crespo. Acho inspirador e quis compartilhar com vocês. (tentei deixar  o vídeo mas não consegui, só clicar na imagem e ir para a matéria…)

Eu mesma já quis ter o cabelo liso na época da escola e hoje sou MUITO mais feliz com os meus fios cacheados e armados. Vou fazer um post para vocês contando minha trajetória capilar!

O que acharam?

Beijos
Mah


Postado por Mah às 14:58 na(s) categoria(s) Cabelos

Você poderá gostar também de: